Repórter é alvo de boato de tentar sequestrar criança, é hostilizado e faz Boletim de Ocorrência

Um jovem de 23 anos, que trabalha como repórter em um portal de notícias na cidade de Monteiro, no Cariri da Paraíba, registrou um Boletim de Ocorrência na delegacia após ser vítima do boato de que ele havia tentado sequestrar crianças em duas cidades próximas na quarta-feira (10). Ele explicou que decidiu fazer o Boletim de Ocorrência para resguardar sua integridade física, tendo em vista que foi hostilizado na rua. José Ismar relatou que a informação errada foi repassada pela mãe da criança que teria sido vítima e posteriormente divulgada pelo delegado do caso para os veículos de comunicação.

De acordo com Ismar, a Polícia Civil recebeu denúncias de que o carro que pertence a ele estava ligado a pelo menos dois casos de tentativas de sequestro de criança nas cidades de Serra Branca e Prata ocorridas na quarta (9) em cerca de duas horas. O problema começou quando uma das mães que foi vítima recebeu de uma testemunha a possível placa do carro dos suspeitos e repassou para a polícia. A placa na verdade era do carro do repórter.

“Fui parado por dois policiais militares quando seguia para o trabalho. Eles foram muito agressivos e me informaram que o meu carro estava sendo ligado a casos de sequestro de crianças. Fui para delegacia e contei que não havia possibilidade pois no horário que falaram ter ocorrido esses crimes, meu carro estava parado em frente ao meu trabalho”, explicou.

Após prestar depoimento, e também pelo fato dos próprios policiais recordarem de José Ismar na cobertura de reportagens policiais, ele foi liberado. Porém, segundo Ismar, mesmo tendo esclarecido o mal entendido, o boato já havia se espalhado pela cidade de Monteiro, tendo em vista que o delegado do caso, João Joaldo, havia dado entrevista para a imprensa local indicado o número da placa do carro.

José Ismar foi hostilizado pouco depois de sair da delegacia por moradores de Monteiro, quando seguia para o trabalho. Ele relatou que, por medo, não conseguiu ir até o trabalho, e retornou para casa. Pois no trajeto foi parado várias vezes por moradores e novamente pela Polícia Militar. Ao chegar em casa, ele teve conhecimento que a imprensa local havia divulgado a placa do seu carro e ligado aos dois casos de tentativa de sequestro.

“Foi vítima de uma fake news. A gente que trabalha com informação sabe do perigo que uma informação errada pode causar, como pode causar um impacto negativo na vida de uma pessoa. Depois desse caso, perdi minha liberdade, tenho medo de sair da rua e ser agredido por algo que não fiz”, explicou.

Ainda de acordo com Ismar, a gravação de uma câmera de segurança em frente ao seu local de trabalho, em Monteiro, mostra que o carro não saiu em nenhum momento para outras cidades no período em que relataram ter acontecido as tentativas de sequestros de crianças.

Para o repórter, o delegado errou ao não investigar se a indicação da placa procedia e errou ao divulgar a informação para imprensa sem ter certeza. José Ismar explicou que já acionou os sites que divulgaram a informação e vai acionar o delegado pela entrevista que resultou nas reportagens que ligaram ele aos casos de sequestro.

“É muito triste, espero que isso se resolva, só quero voltar a ter minha liberdade de volta, porque infelizmente o estrago está feito”, lamentou.

Com G1PB

Por: KLEBSON WANDERLEY em 11 de outubro de 2018

GOSTOU? CURTA, COMPARTILHE!