PAPAGAIO DO TRÁFICO: animal é apreendido após anunciar chegada de policiais: ‘Mamãe, polícia!’

O papagaio apreendido pela Polícia Militar em uma casa que funcionaria como ponto de venda de drogas, na Vila Irmã Dulce, Zona Sul de Teresina, após ter, segundo os policiais militares que atenderam a ocorrência, avisado a dona sobre a chegada deles, gritando “Mamãe, polícia”, foi transferido para o Zoobotânico de Teresina na tarde desta terça-feira (23).

O animal estava no Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA) desde a segunda-feira (22) quando foi apreendido. “Recebemos esse animal na Central de Flagrantes depois dele ter sido apreendido em uma ocorrência de tráfico de drogas. É muito comum que esse tipo de criminosos tenha esse tipo de animal, que é um crime ambiental”, explicou o capitão Josué, do BPA.

“Foi lavrado um TCO por esse crime juntamente com autuação pelo crime de tráfico. Ou seja, ele também vai responder por ter uma espécie silvestre sem autorização, permissão ou licença do órgão competente”, completou o capitão Josué.

De acordo com o capitão Josué, o procedimento agora é verificar se há condições do animal voltar à natureza. “Esse animais que estão em cativeiro há muito tempo costumam ser conduzidos até o Parque Zoobotânico, que têm veterinários e biólogos que vão avaliar se eles têm ou não condições de retornar a natureza”, disse.

Ao chegar ao Zoobotânico o animal foi examinado pelo veterinário Alexandre Clark, que concluiu que o papagaio é um psitacídeo de aproximadamente cinco anos. “Ele é um papagaio do tipo verdadeiro, se alimenta de frutas e insetos, e pode viver até 70 anos”, explicou.

O especialista disse que para o animal avisar a dona sobre a presença dos policiais ele deve ter recebido algum tipo de treinamento. “É possível que ele tenha sido treinado por pessoas onde ele morava a reproduzir e imitar esses sons, mas talvez isso não esteja atrelado à presença da polícia e sim de qualquer pessoa estranha que chegasse que ele faria esse som”, disse ao G1.

No Zoobotânico, o papagaio passará por um processo de triagem, ficará de 5 a 10 dias de observação, em uma área de voo. “Ele deverá aprender a voar, se adaptar novamente. O processo de voo pode durar de 2 a 3 meses”, disse Alexander Clark. Depois desse processo, o animal pode ser encaminhado para um projeto de reintrodução monitorada de aves silvestres em que ele deverá ser solto em Caxingó, Norte do Piauí, e poderá viver na natureza.

Com G1 

Por: KLEBSON WANDERLEY em 24 de abril de 2019

GOSTOU? CURTA, COMPARTILHE!