Partidos do Centrão oficializam apoio à candidatura de Geraldo Alckmin

Os partidos do Centrão (PP, PR, PRB, DEM e Solidariedade) oficializaram na manhã desta quinta-feira (26) em Brasília seu apoio à pré-candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República.

O líder do DEM, ACM Neto, disse que não é possível apoiar um candidato “querendo genuinamente votar em outro”, em uma clara referência à longa novela da aliança do bloco que chegou a pender para Ciro Gomes.

“Nesses dias de muita reflexão e dúvidas é natural que tenhamos dúvidas”, disse ACM Neto. “Temos de ouvir o coração na política também”, afirmou o deputado.

ACM Neto também fez referências sobre um possível racha no bloco o que foi especulado nos últimos dias.

“Todos os partidos que compõe essa aliança tinham pré-candidatos e fomos capazes de deixar de lado as questões internas de cada partido para promover uma aliança que foi encarada por muitos com ceticismo e desconfiança, ouvíamos que esse bloco iria se dividir”, disse.

A aliança, segundo ele, teve espírito público e sentimento de brasilidade. “Foi com esse espírito que chegamos até aqui para convergir em torno de Alckmin”, disse.

O líder dos democratas também agradeceu o empenho do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) como pré-candidato. Mais cedo, o próprio ACM leu uma carta de Maia desistindo do posto.

“Rodrigo vem dando contribuição imprescindível para a estabilidade democrática”, disse. Ele disse ainda que o presidente da Câmara foi a síntese da capacidade de diálogo e construção coletiva.

Do PRB, Marcos Pereira, afirmou que o Brasil precisa ser encarado hoje de forma realista e esperançosa e que o partido realizou pesquisas para escolher quem apoiar. Segundo ele, 72% dos entrevistados disseram que o próximo presidente precisa ser conciliador.

“São Paulo está no azul e Alckmin vai fazer o país voltar ao azul também, rumo à conciliação”, disse. “O Brasil não pode mais flertar com extremos”, emendou.

O líder do Solidariedade, Paulinho da Força, afirmou em seu discurso que “para tirar o país do buraco só um conjunto de forças como essa”. “Nós precisamos reconstruir essa organização sindical”, disse.

 

Com Estadão

Por: KLEBSON WANDERLEY em 27 de julho de 2018

GOSTOU? CURTA, COMPARTILHE!