Fifa divulga lista, sem Tite, dos 11 melhores técnicos

A Fifa divulgou nesta terça-feira a lista com os indicados para o prêmio de melhor treinador da temporada 2017/18. E a Copa do Mundo, como esperado, teve grande peso para a seleção dos candidatos: cinco comandantes que se destacaram no torneio na Rússia apareceram entre os 11 treinadores selecionados pela entidade máxima do futebol mundial. Tite, entretanto, não aparece na lista, que conta ainda com Zidane, Klopp e Guardiola.

A relação – que teve um nome a mais do que o esperado – deu espaço às seleções que tiveram melhores campanhas no Mundial. Didier Deschamps, campeão com a França, e Zlatko Dalic, vice com a Croácia, foram indicados, assim como Roberto Martínez, da terceira colocada Bélgica, e Gareth Southgate, da quarta colocada Inglaterra. Stanislav Cherchesov, que chegou às quartas de final com a Rússia de forma inesperada, é o nome mais surpreendente entre os 11.

Apesar do peso da Copa na lista, os clubes tiveram maior espaço, com seis treinadores apontados como candidatos ao prêmio. Zinedine Zidane – que foi tricampeão europeu com o Real Madrid e é o atual detentor do troféu – disputará contra Jürgen Klopp, vice-campeão da Champions com o Liverpool; Diego Simeone, vencedor da Liga Europa com Atlético de Madrid; Pep Guardiola, campeão inglês com o Manchester City; Ernesto Valverde, vencedor do Espanhol com o Barcelona; e Massimiliano Allegri, que ganhou o Campeonato Italiano com a Juventus.

Os 11 nomes foram indicados por um painel composto por ex-jogadores, considerados “Lendas da Fifa”, que se reuniram entre os dias 3 e 15 de julho para conversar sobre os possíveis premiados. Para os prêmios de melhor técnico e jogador no futebol masculino, os responsáveis foram Kaká, Ronaldo, Carlos Alberto Parreira (Brasil), Lothar Matthäus (Alemanha), Alessandro Nesta, Fabio Capello (Itália), Didier Drogba (Costa do Marfim), Frank Lampard (Inglaterra), Sami Al Jaber (Arábia Saudita), Emmanuel Amunike (Nigéria), Cha Bum-Kun (Coreia do Sul), Andy Roxburgh (Escócia) e Wynton Rufer (Nova Zelândia).

Agora, a decisão final virá atráves dos votos dos capitães das seleções nacionais e dos jornalistas de cada um dos mais de 200 países filiados à Fifa. Estas indicações serão somadas à decisão do voto popular – através de eleição no site da Fifa -, que terá peso menor. O grande vencedor será revelado no dia 24 de setembro, em cerimônia de gala na qual serão entregues todas as premiações.
Com Globo Esporte
Por: KLEBSON WANDERLEY em 24 de julho de 2018

GOSTOU? CURTA, COMPARTILHE!